sábado, 7 de abril de 2007

Palácio da Ventura



PALÁCIO DA VENTURA

Sonho que sou um cavaleiro andante.
Por desertos, por sóis, por noite escura,
Paladino do amor, busco anelante
O palácio encantado da Ventura!

Mas já desmaio, exausto e vacilante,
Quebrada a espada já, rota a armadura...
E eis que súbito o avisto, fulgurante
Na sua pompa e aérea formosura!

Com grandes golpes bato à porta e brado:
Eu sou o Vagabundo, o Deserdado...
Abri-vos, portas de ouro, ante meus ais!

Abrem-se as portas d' ouro, com fragor...
Mas dentro encontro só, cheio de dor,
Silêncio e escuridão - e nada mais!

Antero de Quental



3 comentários:

L.Nunes disse...

uuuh.. que foto!

disparada por ti? grandiosoooooooo!!!

o Antero tb n e ma pessoa.. tb tinha conta no meu banco (f you know what I mean.. lol!)

aquele beijo.. =)

Anónimo disse...

o meu castelo está em obras...

é só ruínas prajá, mas ando aqui a rebocar umas paredes, e a abrir uns roços, para melhorar certas zonas... estou a planear um aquecimento central, uma zona de lazer com grandes sons a bombar, um sótão enorme, e uma zona subterrânea estilo bunker para quando soar o alarme a avisar os bombardeamentos do inimigo. Claro que levará uma pintura assim bem foleira por fora, estilo azul lilás, e arranjarei uma princesa bem bonita por dentro, estilo vermelho garrido para o habitar...


depois vou viajar, e deixo-os os dois ali sozinhos, o castelo e a princesa, porque essa coisa das cores é um tanto abixanada.

Lord of Erewhon disse...

Sem dúvida o meu soneto preferido de Antero.

Dark kiss.